Interessado em trabalhar como agente temporário? Como é que o processo funciona?

Imaginemos que uma organização de trabalho (em breve cliente) ficou convencida com a ideia e quer que lhe forneçamos trabalhadores temporários ao abrigo de um contrato de trabalho temporário.

Como é que o processo funcionaria na prática, do princípio ao fim?

1 – Em primeiro lugar, que perguntar: é possível, dada a natureza específica, as circunstâncias e o contexto geral do pedido, ceder legalmente trabalhadores a uma determinada organização de trabalho, integrada num sector de atividade económica específico numa jurisdição nacional específica?

Algumas questões importantes devem ser abordadas:

a) Os trabalhadores a afetar, respondem a necessidades permanentes ou específicas, baseadas em projectos? Ou serão afectados a necessidades de natureza temporária/específica por uma grande variedade de razões? Se as necessidades de mão de obra forem indiscutivelmente de carácter permanente, não é possível avançar com qualquer acordo.

b) O trabalho temporário é admissível no caso em apreço? Por exemplo, na Alemanha, o trabalho temporário não é legal no sector da construçãoponto final.

c) A Work Supply cumpre os requisitos para trabalhar na jurisdição onde os trabalhadores serão destacados?

Embora a nossa agência de emprego beneficie da liberdade fundamental de realizar negócios em qualquer estado membro da UE (e, por extensão, nos estados membros do EEE também) exatamente da mesma forma que qualquer empresa estabelecida localmente, alguns países exigem pré-registo, pré-autorização ou mesmo exigem que uma autorização ou licença seja obtida antecipadamente.

d) A Work Supply tem a capacidade de fornecer trabalhadores que satisfaçam os requisitos do potencial cliente? Por exemplo, se o cliente estiver à procura de enfermeiros, dentistas, limpadores de arranha-céus, instaladores de ar condicionado industrial, etc., não podemos oferecer uma solução, uma vez que não fornecemos trabalhadores ou serviços desta natureza.

Question mark

2 – Depois de verificar que todos os requisitos foram cumpridos e que não existem outros entraves legais ou burocráticos, o segundo passo é verificar se existe alojamento adequado para alojar os trabalhadores. É óbvio que os trabalhadores temporários destacados precisam de um sítio para ficar.

Se não for possível encontrar um alojamento adequado e a um preço razoável, não qualquer possibilidade de avançar.

3 – A terceira etapa do processo consiste em determinar o montante a pagar aos trabalhadores. A Diretiva da UE 2018/957 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 28 de junho de 2018, estabelece que os trabalhadores destacados têm direito aos termos e condições de emprego estabelecidos no Estado-Membro de acolhimento, desde que sejam mais favoráveis.

Isto significa que não é permitido pagar aos trabalhadores destacados um salário inferior ou proporcionar-lhes condições de emprego menos favoráveis (horas extraordinárias, subsídio de fim de semana, subsídios de turno, etc.) do que as aplicáveis aos trabalhadores com o mesmo posto de trabalho e categoria diretamente empregados pelo cliente.

Por exemplo, se um potencial cliente austríaco pagar aos seus próprios carpinteiros de nível básico 16 euros por hora ou 2 750 euros por mês (brutos), os trabalhadores destacados para este cliente austríaco por uma empresa de fornecimento de mão de obra de outro Estado-Membro da UE, independentemente de se tratar da Work Supply ou de qualquer outra agência de trabalho temporário estrangeira, não podem receber menos. Os trabalhadores destacados também têm direito a receber as mesmas horas extraordinárias, subsídio noturno, subsídio de alimentação, bónus de fim de semana, etc., que a empresa austríaca oferece aos seus próprios carpinteiros diretamente empregados.

No entanto, o que foi dito acima é verdade se o cliente no Estado-Membro da UE para onde os trabalhadores serão destacados oferecer aos seus próprios trabalhadores condições de emprego que estejam em conformidade com a lei ou com qualquer convenção colectiva de trabalho vinculativa em vigorestas têm sempre precedência.

No exemplo acima, se existir uma convenção colectiva vinculativa na Áustria que estabeleça que os carpinteiros principiantes devem receber 18 euros por hora ou 3 095 euros por mês, é este o montante que deve ser pago aos carpinteiros destacados para a Áustria para prestarem serviços a este cliente, juntamente com quaisquer outros benefícios, subsídios ou remunerações adicionais previstos na convenção colectiva de trabalho aplicável.

As directivas da UE estabelecem claramente que o utilizador final (cliente) no Estado-Membro da UE (ou do EEE) é responsável por fornecer informações verdadeiras à agência de trabalho temporário que atribui a mão de obra. Isto significa efetivamente que o utilizador final será responsabilizado por quaisquer declarações falsas ou não conformidades.

5w what where who when why

As informações relativas aos termos e condições de emprego dos trabalhadores destacados são particularmente relevantes por várias razões:

  • O utilizador final (cliente) é responsável por fornecer informações sobre as condições de emprego à agência de trabalho temporário e será responsabilizado por qualquer informação falsa ou deturpação,
  • Os trabalhadores destacados não são necessariamente mais baratos do que o trabalho domésticoos termos e condições de emprego não podem ser menos favoráveis, mas podem, naturalmente, ser mais favoráveis,
  • Compreender isto é de vital importância, pois é o fator que mais influencia a tarifa oferecida aos clientes localizados na Europa.

4 – O quarto passo (negociação) é bastante simples e direto – é necessário chegar a um acordo sobre a tarifa.

Na Work Supply, os nossos serviços de trabalho temporário são facturados à hora.

Se 10 trabalhadores destacados tiverem trabalhado, por exemplo, 40 horas numa semana e tivermos acordado uma tarifa de 23 euros por hora, serão facturados ao cliente 10 trabalhadores x 40 horas x 23 euros. Assim, serão facturados ao cliente 9.200,00 euros (IVA não aplicável).

É importante notar que a taxa horária que cobramos aos nossos clientes é consideravelmente mais elevada do que o salário por hora que pagamos aos nossos trabalhadoresinfelizmente, isto deve-se à necessidade de cobrir as despesas gerais e os salários do nosso próprio pessoal, o pessoal que processa e facilita todos os lançamentos.

Outros custos salariais, tais como férias pagas, subsídios de Natal e de feriados, cobertura de seguro de trabalho abrangente, contribuições obrigatórias da entidade patronal para a segurança social, contribuições obrigatórias da entidade patronal para o Fundo de Compensação dos trabalhadores, exames médicos, despesas de deslocação, etc., aumentam significativamente o custo dos nossos serviços de pessoal temporário.

A agradável surpresa é que, apesar de todos estes factores que podem aumentar a tarifa que podemos oferecer, na maioria dos casos, o custo dos nossos serviços de pessoal temporário é semelhante, e muitas vezes inferior, aos custos que os nossos clientes europeus têm com os trabalhadores que empregam diretamente.

Mediante pedido, podemos também enviar propostas comerciais e orçamentos formais.

5 – O quinto passo, depois de se ter chegado a acordo sobre a tarifa horária dos nossos serviços de trabalho temporário e de se ter chegado a acordo também sobre alojamento, transporte, datas, horários, número de trabalhadores, requisitos, logística, etc., deve ser assinado por ambas as partes um contrato formal de trabalho temporário, onde tudo o que foi acordado é registado por escrito.O contrato de trabalho temporário é obrigatório por lei e, sem ele, a Segurança Social portuguesa não emitirá os PDA1 necessários. Além disso, observámos que, durante as auditorias ou inspecções, os funcionários pedem para ver o contrato de trabalho temporário.É importante referir que durante este passo, ou em qualquer momento durante o processo de negociação, a Work Supply – Trabalho Temporário Lda tem todo o gosto em fornecer ao futuro cliente qualquer documentação que lhe seja solicitada – licenças, caução, certidão de registo comercial, certidões de não dívida, amostras de facturas ou recibos de vencimento, documentos de identificação dos trabalhadores destacados, etc.

A transparência é o nosso lema. Ela ajuda a construir a confiança vital entre nós e os nossos clientes.

6 – O sexto e último passo envolve toda a documentação e procedimentos preparatórios necessários para garantir que o destacamento é efectuado de acordo com os mais elevados padrões e em conformidade com a legislação, regras e regulamentos portugueses, da UE e do país de acolhimento.

É dada especial atenção a:

  • Recolha e avaliação de documentação e informação de potenciais candidatos (passaporte, cartão de cidadão ou autorização de residência, número de segurança social, número de identificação fiscal, número de conta bancária, carta de condução (se disponível), cartas de referência, certificados, etc.),
  • Registar os trabalhadores validados na nossa base de dados e assinar os contratos de trabalho e/ou os acordos de cedência com os trabalhadores a destaca, 
  • Marcação de exames médicos profissionais e obtenção de relatórios de exames médicos para os trabalhadores a destaca, 
  • Submeter ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) as informações e dados obrigatórios de todos os trabalhadores a destacar,
  • Registar os nossos trabalhadores no nosso plano de seguro extraterritorial de trabalho/profissional extremamente abrangente,
  • Submeter pedidos online de PDA1 no portal da Segurança Social portuguesa (esta autoridade é extremamente exigente – por exemplo, se não for fornecida prova de que os trabalhadores para os quais os A1s estão a ser solicitados estão cobertos pelo seguro de trabalho do primeiro ao último dia de destacamento, o pedido será rejeitado), 
  • Preencher a notificação obrigatória de destacamento em linha, onde são disponibilizadas informações exaustivas sobre a iniciativa de destacamento intra-UE solicitada pela autoridade competente do país de acolhimento – a Diretiva 2014/67/UE relativa à execução de trabalhadores destacados exige que os países de acolhimento sejam notificados de quaisquer trabalhadores destacados nas suas fronteira,
  • Compra de bilhetes e preparação de itinerários de viagem para os trabalhadores a destacar.

Processo - Fluxograma

SEM COMPLICAÇÕES, SEM PREOCUPAÇÕES!
A Work Supply trata de todo o processo, de A a Z. Não é por acaso que o nosso slogan:

"OFERECEMOS PAZ DE ESPÍRITO!"

Explore Other Successful Projects